WELCOME TO RIONOW.

A escolha do Rio de Janeiro para sediar as primeiras Olimpíadas na América do Sul levou a um boom de projetos e obras que se seguiu a um longo período de estagnação econômica e cultural nesta cidade de 6,3 milhões de habitantes. Mesmo que muitas promessas tenham ficado no papel – como a despoluição da Baía de Guanabara e a urbanização de 260 favelas - entre outubro de 2009 e agosto de 2016 surgiram arenas, obras viárias, lançamentos imobiliários, edifícios corporativos, museus, hotéis. Além de obras na área portuária que incluíram a demolição de um elevado de 7 km e a abertura de 4km de túneis, com trechos escavados sob alguns dos sítios de maior valor histórico, paisagístico e simbólico da cidade.

Esse processo mobilizou agentes públicos e privados, em diferentes modelos de parcerias. E ainda que em novo registro, contou-se mais uma vez com os apelos da “modernização” para justificar um modelo de transformações ancorado na arquitetura e acompanhado de imensos custos financeiros, sociais e ambientais. Mas quanto de inovação trouxeram consigo esses projetos, e quais deles são dignos da arquitetura e dos espaços urbanos que esta cidade já produziu? Que alternativas surgiram para o modelo predatório que domina grandes cidades hoje com edifícios cada vez mais desumanos? Em que medida os projetos e intervenções conduziram efetivamente à redução das desigualdades sociais que são tão abissais nesta cidade? Que grau de participação teve a sociedade? E que cidade resultará de todo este processo, afinal?

Nós lhe convidamos a buscar as respostas para essas perguntas neste site, construído a partir de uma pesquisa extensa e do cruzamento de diferentes informações e conteúdos. Welcome to Rionow. Esse jogo não acabou, nem vai acabar quando a pira se apagar." data-ing=" We invite you to seek answers to these questions in our website, which represents the results of extensive research, aiming to build a critical perspective of Rio 2016. Welcome to RioNow. Because the game isn’t over, nor will it end when the torch blows out.



Leia também: "Rionow como campo de experimentação gráfica e historiográfica"

www.000webhost.com